Notícias


Fotos do Congresso Brasileiro de Ciência do Solo disponíveis para download

As fotos produzidas durante o XXXVII Congresso Brasileiro de Ciência do Solo, em Cuiabá, estão disponíveis para download.

Créditos para Emanoele Daiane da Cruz.

Link para acesso:

https://drive.google.com/drive/folders/1yE4LRz_azq1_UfueNdr_1bFWmbi9MVTn

 

 


Lúcia Helena Cunha dos Anjos é a nova presidente da SBCS

A professora Lúcia Helena Cunha dos Anjos, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), foi eleita por unanimidade pelo Conselho de Administração da SBCS e confirmada por aclamação pela Assembleia de sócios, durante o XXVII CBCS, em Cuiabá. Ela é engenheira agrônoma, com mestrado e doutorado em Ciência do Solo.

Lúcia Anjos, como prefere ser chamada, foi diretora da Divisão I – Solo no Espaço e no Tempo da SBCS desde 2015 até ser eleita. “A minha vida profissional mescla as atividades de ensino, pesquisa e gestão acadêmica. Em todas sempre estimulei e procurei trabalho em parceria com professores e pesquisadores da mesma área de conhecimento em Gênese, Morfologia e Classificação de Solos, mas também com temas desafiadores, em especial os de etnopedologia, pedometria e, sempre que possível educação em solos. Ressalto as visitas técnicas ou participação de eventos em quase todos os estados brasileiros, com destaque para as Reuniões de Classificação e Correlação de Solos (RCCs), o que me levou a um aprofundamento do contato com professores e pesquisadores de várias regiões do Brasil”, disse ela.

A nova presidente ressalta que é sócia da SBCS desde antes de concluir sua formação acadêmica, é editora associada da RBCS e representante da SBCS e da América do Sul e Caribe para o Intergovernmental Technical Panel on Soils – FAO/ Global Soil Partnership (GSP). Lúcia também participou da comissão organizadora do Congresso Mundial de Solos realizado em 2018, no Rio de Janeiro.

Em seu discurso aos conselheiros e sócios da SBCS e no seu plano de trabalho, Lúcia Anjos destacou que em seu mandato de dois anos pretende priorizar  a integração dos Núcleos Estaduais e Regionais da SBCS; fortalecer a criação de grupos de trabalho e tornar mais efetiva a atuação das Divisões e Comissões Especializadas; estruturar o Comitê Editorial da Sociedade; e retomar esforços junto aos Núcleos Regionais/Estaduais para aumentar o número de associados. Ela também destacou que pretende ampliar a ação da SBCS juntos às instâncias governamentais para promover a educação e percepção pública da Ciência do Solo e fortalecer o papel da SBCS como interlocutora em programas e ações para uso sustentável dos solos brasileiros, além de aumentar a visibilidade e alcance de materiais publicados pela SBCS e aperfeiçoar meios de comunicação com sócios para dar maior dinamicidade e atrair novos talentos.

No âmbito internacional, a nova presidente quer interagir sistematicamente com a IUSS e com a Aliança Sul Americana pelo Solo para apoiar a implementação da Aliança Brasileira pelo Solo e fortalecer o intercâmbio com as Sociedades congêneres da América Latina e Caribe consolidando o papel de liderança do Brasil. “ Nossa meta é conduzir a SBCS, com apoio da Secretaria Executiva e do Conselho Diretor, através dos Diretores das Divisões e Comissões Especializadas e dos Núcleos Regionais ou Estaduais, e os sócios, para que a Sociedade seja levada a um patamar de relevância nacional nas decisões sobre governança e gestão do recurso solo, bem como junto a organizações e fóruns internacionais”, disse Lúcia Anjos.


Mariangela Hungria recebe o prêmio Antonio Carlos Moniz de Ciência do Solo

Trata-se da maior honraria concedida pela SBCS a um único profissional que tenha,  contribuído extraordinariamente para o avanço da ciência ou da tecnologia na ciência do solo brasileira. Pela primeira vez a premiação foi concedida a uma mulher.

A pesquisadora da Embrapa Soja, Mariangela Hungria da Cunha, foi agraciada com o Prêmio Antonio Carlos Moniz de Ciência do Solo (ACM). Além de ser uma das pesquisadoras brasileiras mais produtivas do país na área de Biotecnologia do Solo, ela é membro titular da Academia Brasileira de Ciências, desde 2008, e acumula uma série de premiações de grande relevância nacional e internacional ao longo de sua carreira, entre elas, o título de Comendadora da Ordem Nacional do Mérito Científico da Presidência da República pela contribuição nas Ciências Agrárias.

A indicação do nome de Mariangela Hungria ao prêmio ACM de Ciência do Solo foi feita pela diretoria do Núcleo Estadual Paraná da SBCS (Nepar). Segundo a correspondência enviada à SBCS, a pesquisadora está entre os grandes nomes da Ciência do Solo no Brasil, com importantes contribuições científicas e tecnológicas para fixação biológica do nitrogênio. Esta tecnologia sustentável traz grandes benefícios econômicos ao país, uma vez que, somente na cultura da soja, os ganhos são estimados em cerca de US$ 15 bilhões anuais por dispensar a necessidade de uso de fertilizantes nitrogenados, além das vantagens ao meio ambiente. “O principal diferencial de seu trabalho está em unir a pesquisa básica, como genômica e proteômica, à pesquisa aplicada, como desenvolvimento de inoculantes microbianos. Como resultado, ela tem mais de 700 publicações, que vão desde artigos científicos publicados em periódicos de alto impacto, a livros didáticos para alunos e cartilhas para agricultores. Além disso, é uma das pesquisadoras brasileiras mais citadas na área de Ciências Agrárias no Brasil, com fator H 40, conforme consta da base de dados Web of Science”, informou o documento de indicação da pesquisadora.

A homenageada é membro da SBCS desde o início da década de 1980 e participa ativamente na comissão de Biologia do Solo da Divisão 1 –“Processos e Propriedades do Solo”. Foi a primeira mulher a presidir a SBCS, ocupando o posto entre 2001 e 2003, além de ter tido participação ativa na criação do Nepar, do qual participa como membro efetivo na comissão “Biologia do Solo”. Ela também organizou e presidiu o XXVIII Congresso Brasileiro de Ciência do Solo, realizado em Londrina, em 2001.  Além das inúmeras contribuições da pesquisadora aos avanços científicos e tecnológicos na Ciência do Solo brasileira, o Nepar também ressaltou o papel de Mariangela Hungria na valorização do papel da mulher na SBCS.

Conheça a homenageada

Mariangela Hungria é agrônoma formada pela Esalq/USP, em 1979, com mestrado na mesma instituição, 1981, doutorado na UFRRJ, em 1985 e pós-doutorado na Cornell University, em 1989 e na University of California – Davis, em 1991, e também na Universidade de Sevilla (1998). Ela é pesquisadora da Embrapa desde 1982 e está lotada na Embrapa Soja desde 1991. É professora e orientadora da pós-graduação em Microbiologia e em Biotecnologia na Universidade Estadual de Londrina e no curso de Bioinformática na UFTPR. Colaborou com a formação de mais de 200 profissionais, entre pós-doutores, pós-graduados e graduados.

Como pesquisadora, Mariangela atua principalmente em Biotecnologia do Solo, tem mais de 700 publicações, entre trabalhos científicos, livros, capítulos de livros e publicações técnicas, além de ser revisora de mais de 20 revistas indexadas nacional e internacionalmente. Vários trabalhos dela foram transformados em produtos de grande utilidade para a agricultura brasileira. Ela lançou mais de 20 tecnologias, incluindo rizóbios para a cultura do feijoeiro, Azospirillum para milho, trigo, braquiárias, coinoculação de rizóbios e Azospirillum para soja e feijoeiro. Trabalha cem várias parcerias privadas no desenvolvimento de novos inoculantes microbianos, com diversos produtos já registrados e comercializados. Recentemente, Mariangela assumiu a curadoria do Banco de Germoplasma de Microrganismos para a Produção de Inoculantes Microbianos, homologado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Ela também coordena a única estação quarentenária homologada pelo Mapa para inoculantes microbianos do Brasil.

Mariangela Hungria é revisora de mais de 20 revistas indexadas nacionais e internacionais, representante brasileira na rede de biofertilizantes Ibero-Americana Biofag e foi vice-presidente e presidente da RELARE (Reunião da Rede de Laboratórios para a Recomendação, Padronização e Difusão de Tecnologia de Inoculantes Microbianos de Interesse Agrícola), entre 2010-2016. É consultora da Fundação Bill & Melinda Gates para projetos de fixação biológica do nitrogênio na África, bem como de projetos com a Argentina, México e Peru, além de atuar em projetos em colaboração com a Espanha, Austrália e França. Ela é pesquisadora do CNPq desde 1992 e está no nível 1ª, desde 1998. Em 2010 recebeu o troféu “Glaci Zancan Mulheres de Ciência do Paraná” e o prêmio “Honorary Scientist & Advisor on Agricultural Green Technology”, do Rural Development Administration (RDA, Coreia). Em 2012 recebeu o prêmio Frederico de Menezes Veiga, da Embrapa, sobre o tema “A Agricultura na Economia de Baixa Emissão de Carbono”. Em 2015, foi agraciada com o Prêmio Claudia, na categoria ciências e, em 2018, com a Medalha de Mérito pelo CREA-PR e Medalha de Mérito Nacional CONFEA/CREA, além de outras premiações.

Em seu discurso, durante a homenagem, Mariangela Hungria se emocionou ao relembrar sua relação de amizade com Johanna Döbereiner e Antonio Carlos Moniz. “Esta homenagem, tão emocionante e importante para mim, carrega o nome do meu velho amigo. Nesta etapa da vida em que eu deveria estar “dando mais do que recebendo”, venho para o congresso com a mesma vontade de aprender coisas novas, assim como eu tinha lá em 1981, quando participei do meu primeiro CBCS, em Salvador, e conheci Johanna Döbereiner. Esse entusiasmo não envelheceu dentro de mim. Venho a este congresso, em Cuiabá, com a mesma alegria de reencontrar os amigos. E, em meio a toda essa alegria, a surpresa da premiação. Resta agradecer muito, dizer que continuarei a tentar fazer o melhor que posso pela microbiologia do solo no Brasil e pela SBCS”.  disse ela.

O prêmio ACM, da SBCS, foi entregue a Mariangela Hungria durante a abertura do XXXVII CBCS, em Cuiabá, dia 21 de julho.


Dois novos livros para sua biblioteca da ciência do Solo

Os livros Tópicos em Ciência do Solo e Fundamentos da Micromorfologia dos Solos estão a venda Loja Virtual da SBCS.

 


Fotos da Mini RCC dos solos do Pantanal estão disponíveis na internet
Uma ótima notícia para quem participou da Mini RCC dos solos do Pantanal, em Cuiabá.

(mais…)


SBCS lança livro-texto sobre Manejo e Conservação do Solo e da Água

Este é o sétimo livro-texto sobre tópicos ligados à Ciência do Solo lançado pela SBCS.  Estes livros são referências em todos os cursos de Ciências Agrárias no Brasil, graças à atualidade dos temas e profundidade de abordagem. Como afirma no prefácio a professora Sonia Carmela Falci Dechen, “Só sociedades científicas com o porte da SBCS têm o fôlego e competência para estruturar um projeto dessa envergadura.”

O livro apresenta o manejo, controle da erosão e conservação do solo e da água nos principais ambientes de cultivo brasileiros e torna clara a preocupação da SBCS com a conservação dos solos brasileiros. São 42 tópicos abordados por 156 profissionais altamente qualificados, conhecedores da diversidade dos solos e dos manejos em todo o país e comprometidos com a sustentabilidade destes solos.

A SBCS fará o lançamento oficial do livro-texto “Manejo e Conservação do Solo e da Água” durante o XXXVII Congresso Brasileiro de Ciência do Solo, que será realizado em julho, em Cuiabá. Mas, até lá, o livro pode ser adquirido na Loja Virtual da SBCS por R$225,00 (preço para sócios da SBCS) e R$280,00 para não sócios.


Open Science é o tema da nova edição do Boletim da SBCS

A SBCS desafiou a comunidade científica da ciência do solo a vislumbrar as mudanças que o conceito de Open Science vai trazer para a pesquisa brasileira. Descobrimos que o assunto ainda é novidade para muitos. Mas é preciso estar por dentro porque o conceito de Ciência Aberta é muito complexo, envolve mudanças significativas no modo de fazer e publicar nossas pesquisas e também porque já é uma realidade em todo o mundo.

Por isso, Open Science é o tema da nova edição do Boletim da SBCS que já está no ar aqui  no site da SBCS. A versão impressa é somente para os sócios.


UFC realiza 5ª Reunião Nordestina de Ciência do Solo

O Núcleo Regional Nordeste da SBCS e a e a Universidade Federal do Ceará promoveram, de 27 a 30 de maio, em Fortaleza-CE, a 5ª Reunião Nordestina de Ciência do Solo. O evento contou com a participação de 526 pessoas e a apresentação de 710 trabalhos científicos.  Foram apresentadas 25 palestras, duas conferências internacionais e 10 seminários.

A Reunião foi presidida pela professora Maria Eugênia Escobar e teve como tema “O solo como fator de produção frente às mudanças climáticas no Nordeste Brasileiro. Para ela, “apesar dificuldades financeiras para organização, o evento registrou a participação de pessoas de todas as regiões do Brasil e a qualidade dos trabalhos mostrou que a Região Nordeste tem muito para compartilhar e contribuir com a Ciência do Solo do Brasil.”

Durante o evento, o professor Fernando Felipe Ferreyra Hernandez  recebeu a Medalha “Prêmio Nordeste de Ciência do Solo.” A premiação reconhece o trabalho desenvolvido pelo professor Fernando Felipe para o desenvolvimento da Ciência do Solo na região Nordeste, especialmente, no Ceará. O homenageado é natural de Ica, Peru e formado em Agronomia pela Universidad Nacional Agraria La Molina (UNA-LM), em 1969. Fez Mestrado na mesma instituição, em 1972, e doutorado na ESALQ/USP, em 1978. Em 1980, tornou-se professor  no Programa de Pós-Graduação em Agronomia – Solos e Nutrição de Plantas da UFC, permanecendo  como professor visitante até 1983, quando foi efetivado no Departamento de Ciências do Solo. O professor Fernando Ferreira é responsável pelas disciplinas de “Química do Solo” e a de “Qualidade de Água de Irrigação e Solos Afetados por Sais” para os Programas de Pós-Graduação em Ciência do Solo e de Irrigação e Drenagem, bem como a disciplina de “Química e Fertilidade do Solo” para o curso de graduação em Agronomia da UFC. A dedicação do professor Fernando Ferreira a UFC também se estendeu às atividades administrativas, atuando como coordenador do Programa de Pós-Graduação em Agronomia – Solos e Nutrição de Plantas entre 1990 e 1994,  Chefe do DCS entre  2005-2009 e 2013-2017 e Supervisor do Laboratório de Análises de Solos, Plantas, Águas, Fertilizantes e Corretivos, onde são realizadas muitas das análises de estudantes de pós-graduação e de produtores rurais da região.

O professor Fernando, ao centro, com a presidente do evento, professora Maria Eugênia Escobar (UFC) e o presidente do Núcleo Regional Nordeste da SBCS, professor Júlio Nóbrega(UFRB)

 


Nepar promove a VI Reunião Paranaense de Ciência do Solo

A VI Reunião Paranaense de Ciência do Solo: O Desafio da produção Agropecuária com Baixo Impacto Ambiental  foi realizada entre os dias  28 e 31 de maio, em Ponta Grossa, com a presença de mais de 450 inscritos. O evento, promovido pelo Núcleo Estadual Paraná da SBCS (Nepar) também definiu a nova diretoria do Núcleo para os próximos dois anos.

Clique aqui para acompanhar a cobertura completa do evento.

 


Eleita a nova Diretoria do NEPAR

A nova diretoria do Núcleo Estadual Paraná da SBCS (Nepar/SBCS), foi apresentada como chapa única e eleita durante a VI Reunião Paranaense de Ciência do Solo, de 29 a 31 de maio, em Ponta Grossa, Paraná. A nova gestão tem mandato até 2021.

Conheça a nova diretoria

Diretor: Adriel Ferreira da Fonseca (UEPG)

Vice-diretora: Graziela Moraes de Cesare Barbosa (IAPAR)

Segundo vice-diretor: Cristiano André Pott (UNICENTRO)

Secretário: Marcelo Marques Lopes Muller (UNICENTRO)

Segundo secretário: Neyde Fabíola Balarezo Giarola (UEPG)

Tesoureiro:Tiago Santos Telles (IAPAR)

Segundo Tesoureiro: Leandro Rampim (UNICENTRO)

Para o conselho fiscal foram apresentados: Arnaldo Colozzi Filho (IAPAR), Luis Cesar Cassol (UTFPR) e Paulo Cesar Conceição (UTFPR) como Titulares e, Marcelo Augusto Batista (UEM) e Volnei Pauletti (UFPR), como suplentes.

O novo diretor do Nepar, Adriel Ferreira da Fonseca é professor da UEPG.